Morashá

PERSONALIDADES

Itzhak Rabin, um símbolo

Itzhak Rabin, um símbolo

Ele foi mais do que um militar, mais do que um diplomata, mais do que um estadista. No transcurso do 25º aniversário de seu trágico assassinato, Itzhak Rabin se reafirma como um símbolo do novo judeu que emergiu e surpreendeu o mundo nos primeiros anos do século vinte, um novo ser humano: forte, altivo e determinado, insumbmisso à opressão dos guetos, obstinado na luta pela restauração da soberania judaica em sua pátria ancestral.

Edição 109 - Dezembro de 2020

ISRAEL HOJE

Israel, Mossad e a paz no novo Oriente Médio

Israel, Mossad e a paz no novo Oriente Médio

Yossi Cohen, diretor do Mossad, o serviço de inteligência de Israel, desembarcou em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos em agosto para fazer história. Era o primeiro representante do alto escalão do governo israelense a visitar o país do golfo Pérsico após o anúncio do acordo de paz pelo presidente Donald Trump, numa ofensiva diplomática responsável ainda pela normalização dos laços entre o Estado judeu e os outrora inimigos Bahrein e Sudão.

Edição 109 - Dezembro de 2020

COMUNIDADES DA DIÁSPORA

Vida Judaica no Uzbequistão

Vida Judaica no Uzbequistão

Remonta à Antiguidade a presença de judeus na região do atual Uzbequistão. Durante séculos, a população judaica local era composta apenas por judeus mizrachim1 mais especificamente, a comunidade judaica de Bukhara. Mas, a partir do final do século 19, judeus do Leste europeu, ashquenazim, passaram a se instalar na região formando mais uma comunidade local. Hoje, a maioria dos judeus que ainda vivem no Uzbequistão seguem o rito ashquenazita, tendo os judeus de Bukhara emigrado maciçamente.

Edição 109 - Dezembro de 2020

VOCÊ SABIA?

O que é Chabad?

CHABAD (Lubavitch), um dos maiores movimentos judaicos, é um acrônimo das palavras “Chochma” (Sabedoria), “Binah”(Compreensão) e “Daat” (Conhecimento). Este acrônimo simboliza a filosofia intelectual do movimento chassídico Chabad-Lubavitch.

Veja mais...

CURIOSIDADES

Consta no final da história de Purim, na Megilat Esther, que os judeus mataram 75.000 de seus inimigos. É importante saber que isto não foi um ato de vingança, e sim, de autodefesa. Pela lei da Pérsia, “uma ordem do rei não poderia ser rescindida” (Esther 8:8). Portanto, o plano de genocídio de Haman contra os judeus nunca foi rescindido pelo rei. O milagre de Purim é que Achashverosh emitiu um segundo decreto permitindo que os judeus se defendessem contra seus inimigos (Esther 8:11). Na tradição judaica, a morte de outras pessoas nunca pode ser celebrada. Por este motivo, a festa de Purim não é comemorada no dia em que os judeus derrotaram seus inimigos, mas no dia seguinte.

Veja mais...

HOJE NA HISTÓRIA

28/02/1933

No dia seguinte ao incêndio do Reichstag (Parlamento), Hitler, então Chanceler da República de Weimar, convenceu o Presidente Hindenburg a assinar um decreto suspendendo os direitos constitucionais de livre locomoção, liberdade de expressão e de reunião.

28/02/1940

É lançado o MacDonald White Paper – a Carta Branca – que restringia a venda de terras em Israel para judeus. Este documento quase que anulou a Declaração Balfour, que declarava que a Inglaterra apoiava a formação de um lar judeu em Israel.

Veja mais...

BRASIL

Israel sedia o Grand Slam 2021 em Tel Aviv, competição promovida pela Federação Internacional de Judô

Dos dias 18 a 20 de fevereiro, Tel Aviv recebe etapa eliminatória rumo à Olimpíada em Tóquio, com 422 competidores de mais de 60 países; um terço das atletas são mulheres

Veja mais...