Morashá

Curiosidades


O Primeiro Congresso Sionista não ocorreu em Israel, nem na Europa Oriental ou nos Estados Unidos. Foi na Basiléia, Suíça, organizado por Theodor Herzl, considerado “pai do sionismo moderno”.


Dia 25 do mês hebraico de Shevat, é o aniversário de falecimento de Rabi Israel Lipkin (1810-1883), conhecido como “Rabi Israel Salanter”. Este grande Sábio foi o fundador do movimento Mussar, que enfatiza a ética. O Rabi de Salanter ensinava que uma pessoa religiosa precisava, acima de tudo, se comportar de maneira exemplar, temer a D’us, e respeitar todas as outras pessoas.


24 de Shevat, no ano de 3410 (351 ACE), o profeta Zacarias profetizou a reconstrução da Moradia de D’us na Terra: o Templo Sagrado de Jerusalém. De fato, dois anos mais tarde, no dia 3 de Adar do ano de 3412 (349 ACE), foi erguido o Segundo Templo Sagrado de Jerusalém.


Dia 22 de Shevat, é a data de falecimento da Rebetsin Chaya Mushka Schneerson, esposa do Lubavitcher Rebe. A Rebetsin faleceu no ano 5748 (1988).


José, filho do patriarca Jacob, tinha 110 anos quando veio a falecer. Antes de sua morte, ele fez uma profecia: revelou aos seus irmãos que D’us tiraria os judeus do Egito e os levaria para a Terra Prometida. José também pediu para que seus ossos fossem levados para a Terra de Israel e lá enterrados após o êxodo judaico do Egito.


Os doze filhos do patriarca Jacob foram os pais das doze tribos de Israel. É interessante que o horóscopo e a astrologia são baseadas nos atributos e qualidades de cada um desses doze filhos. Jacob teve filhos com suas quatro esposas: Leah, Rachel, Bilah e Zilpah. Os filhos de Leah foram Reuven, Shimon, Levi, Yehudah, Issachar e Zebulun; os filhos de Rachel foram Yosef e Biniamin; os filhos de Bilah foram Dan e Naftali; e os filhos de Zilpah foram Gad e Asher.


Os Manuscritos do Mar Morto são, em sua maioria, escritos em hebraico, mas alguns foram escritos em aramaico. Aramaico era a língua comum dos judeus na Terra de Israel durante o início do primeiro século da Era Comum. A descoberta dos Manuscritos contribuiu para um maior conhecimento de ambas as línguas.


Judeus chassídicos têm o costume de usar vestimentas especiais no Shabat e nas festas judaicas. Esses trajes se assemelham às roupas utilizadas pela nobreza polonesa, no século 16. Além de cobrir a cabeça com uma quipá, muitos judeus chassídicos usam um chapéu de pele, chamado de shtreimel. O shtreimel costuma ser feito de "vison".