Morashá

Curiosidades


Em 1945, a Alemanha Oriental negou qualquer tipo de responsabilidade nacional pelo Holocausto e se recusou a oferecer reparações para sobreviventes judeus. Foi apenas em 1990 que a Alemanha Oriental admitiu culpa pelo Holocausto. Já a Alemanha Ocidental, a partir de 1951, concordou em compensar judeus pela perda de posses que eles sofreram durante a Segunda Guerra Mundial.


Os primeiros judeus na América do Norte eram sefaradim. No ano de 1700, havia apenas 300 judeus nos Estados Unidos. A partir do século 18, judeus alemães passaram a imigrar para os Estados Unidos e, apesar de serem ashkenazim, eles se afiliaram às sinagogas sefaraditas.


O Talmud ensina que há quatro inícios de ano no calendário judaico: Rosh Hashaná (dia primeiro de Tishrei), dia primeiro de Nissan, dia primeiro de Elul e a data de hoje, dia 15 de Shevat, Tu b’Shevat. Hoje, dia 1 de Nissan, é, portanto, o início de um ano judaico.


Em 1664, a Grã-Bretanha tomou posse de New Amsterdam (Nova Amsterdã), mudando o nome desta para New York (Nova Iorque). Sob domínio inglês, os judeus de Nova Iorque receberam mais direitos civis. Em 1706, já haviam criado uma comunidade judaica, chamada de Shearit Israel.


Ao final da década de 1960, havia 29 sinagogas na Índia, a maioria delas em Bombaim. Hoje o número de sinagogas no país caiu para 18. A sinagoga Paradesi (“estrangeiros”), localizada na cidade de Cochin, é uma importante atração turística da Índia.


Alguns dos piores massacres na história judaica ocorreram durante a época de Pessach. Os judeus eram acusados de realizar assassinatos rituais para usar o sangue de cristãos no preparo de Matsot. Outros massacres eram instigados nos domingos de Páscoa.


De todas as festas judaicas, Pessach é a mais celebrada nos Estados Unidos. De acordo com uma pesquisa feita em 1990 pelo National Jewish Population Survey (NJPS), mais de 80% dos judeus norte-americanos participam de um Seder de Pessach.


Rabi Akiva, o maior sábio do Talmud, só começou a estudar a Torá aos 40 anos de idade. Ele cresceu como um pastor ignorante e analfabeto. Rabi Akiva começou a estudar Torá para poder se casar com Raquel, filha de Kalba Savua. Posteriormente, Rabi Akiva se tornou o maior rabino da história judaica.