Morashá

COMUNIDADES DA DIÁSPORA


Judeus na Argélia Francesa

Judeus na Argélia Francesa

A vida dos judeus da Argélia mudou drasticamente no século 19. A conquista do país pela França, em 1830, iniciara o último capítulo da história judaica argelina. Aos poucos, os judeus se “afrancesaram”, tornando-se cidadãos franceses. A independência da Argélia, em 1962, marcou o fim de dois mil anos de sua presença no país. Os judeus, em grande maioria, foram para a França. Hoje não há judeus na Argélia.

Edição 101 - Setembro de 2018

Judeus na Argélia sob domínio islâmico

Judeus na Argélia sob domínio islâmico

A presença judaica no território da atual Argélia remonta ao início da Era Comum. Durante grande parte de sua milenar história os judeus estiveram sob domínio islâmico. Vivenciaram alguns períodos de tolerância e crescimento, mas inúmeros outros de humilhações, perseguições e morte. Sua sorte mudou em 1830 quando a Argélia se tornou colônia francesa.

Edição 100 - Junho de 2018

A vida dos judeus em Fez

A vida dos judeus em Fez

Os judeus figuravam entre os primeiros habitantes da recém-criada Fez, no final do século 8. Rapidamente, se tornaram parte integral da cidade, exercendo importante papel em todas as áreas. Sua vida e bem-estar, no entanto, estavam sempre à mercê dos governantes, e eles viveram períodos de estabilidade e prosperidade e outros de grande sofrimento. Importantes rabinos, sábios e cabalistas viveram em Fez, entre outros o Rabi Yitshak Al-Fassi e o próprio Maimônides. Hoje, apenas cerca de 150 judeus vivem na cidade.

Edição 99 - Abril de 2018

Os judeus na Polônia entre as duas guerras mundiais

Os judeus na Polônia entre as duas guerras mundiais

Com a criação, em 1918, da Segunda República Polonesa, os judeus acreditavam que passariam a ser aceitos na nova nação com igualdade de direitos. Mas, nas duas décadas de existência da República, as esperanças judaicas se transformaram em desespero. Os sinais do precipício que os iria tragar já se faziam ver. No entanto, apesar da hostilidade, discriminação e isolamento, no período entre guerras o judaísmo polonês forneceu grande vitalidade à vida judaica.

Edição 98 - Dezembro de 2017

A Polônia - da fundação à partilha

A Polônia - da fundação à partilha

Até a Shoá, a maioria dos judeus do mundo podia associar sua origem a essa região. Durante séculos foi um importante centro religioso, o berço do Chassidismo e da cultura judaica iídiche. No início do século 15, era, para os judeus, o país mais seguro da Europa, e acabou abrigando a maior e mais importante comunidade judaica no mundo.

Edição 97 - Setembro de 2017

Judiarias portuguesas: um reencontro com o passado

Judiarias portuguesas: um reencontro com o passado

Portugal está-se reconciliando com seu passado judaico. Os primeiros passos nessa direção foram dados em 1989, quando Mário Soares, então presidente da República, pediu perdão, simbolicamente, pelas perseguições que os judeus sofreram no país durante os mais de 300 anos de existência do Tribunal da Inquisição e quase 500 desde o Decreto de Expulsão da população judaica, de 1496, assinado pelo então rei D. Manuel I.

Edição 97 - Setembro de 2017