Sucot, a festa das cabanas

Foto Ilustrativa

A festa de Sucot é caracterizada principalmente pela obrigação do povo judeu de habitar em cabanas. A sucá lembra as tendas (ou as nuvens celestiais) que serviram como habitação para nossos antepassados durante os 40 anos que passaram no deserto do Sinai, após o Êxodo do Egito.
Menu Completo
Morashá.com HOME
Revista Morashá
Clique acima e consulte as edições anteriores.
Edição 42 - Setembro de 2003
Celebramos Sucot após as festas de Rosh Hashaná (o ano novo) e Yom Kipur. Mas não seria mais apropriado construir cabanas em Pessach, já que o intuito desse mandamento é lembrar os milagres ocorridos na saída do povo judeu do Egito? Muitos já se fizeram essa pergunta. Existe uma resposta que é fundamental para se entender o significado de Sucot. Na Terra de Israel, Pessach cai sempre na primavera. Habitar em cabanas, ao ar livre, no verão, quando o calor dentro de casa é intenso, é agradável. Porém, um Mandamento Divino não deve ser cumprido pelo fato de ser agradável; não é assim que uma pessoa demonstra seu empenho e devoção em cumprir a Vontade de D’us. Ao habitar dentro de uma sucá durante o outono, apesar do frio, o povo de Israel demonstra ao Eterno sua firme intenção de obedecê-Lo. A festa de Sucot é celebrada durante o mês de Tishrei para mostrar que nem o frio, nem o vento podem impedir-nos de cumprir a vontade de D’us.

Há ainda uma outra explicação: após Rosh Hashaná e Yom Kipur é natural nos preocuparmos com o julgamento e os decretos Divinos. Será que nossas preces em Yom Kipur foram aceitas? Será que fomos perdoados? Mesmo sem saber a resposta e esperando pelo julgamento, construímos cabanas logo após Yom Kipur.


Nossos sábios ensinam que o exílio serve como expiação de pecados. Portanto, ao construir cabanas após Yom Kipur, é uma forma de dizer ao Todo Poderoso: se algum de nós foi condenado ao exílio (que D’us não o permita), que a mudança de endereço de nosso lar para a sucá sirva como cumprimento da sentença. Assim, ao cumprir este mandamento de D’us, possa a sentença ser considerada como cumprida e o perdão e a absolvição, conquistados.

Sim, é inacreditável! O ato de deixar a nossa residência permanente e mudar-nos para a sucá pode ser considerado um exílio. Daí deduzimos o quanto nossos atos são preciosos e importantes perante D’us. O judaísmo ensina que mesmo os atos mais simples e aparentemente insignificantes são de grande valor para o Eterno.

Os significados das leis da sucá

As leis das sucá, além de serem bastante específicas, dão-nos importantes lições de vida.

O Talmud ensina que a palavra sucá é derivada de schach que, em hebraico, significa cobertura. A sucá é uma habitação formada por paredes e teto. Para a fabricação das divisórias pode-se usar qualquer tipo de material sólido (pedra, madeira, ferro, vegetal, plástico e até junco). Porém, para construir a cobertura da cabana onde se deve habitar durante Sucot só é permitido usar material vegetal recém-cortado, como folhagem, bambu e madeira, entre outros.

As paredes da sucá simbolizam o status social do indivíduo ou da família que a constrói. Elas representam sua posição socioeconômica e o patrimônio adquirido ao longo dos anos. Por isso, a construção das paredes da sucá pode ser feita com qualquer tipo de material, do mais simples ao mais luxuoso. É até permitido construir uma sucá com paredes de ouro ou prata. Mas a lei determina que o schach que é o elemento fundamental da sucá seja feito de um vegetal cortado, que praticamente não tem valor econômico.


Para cumprir o mandamento da sucá, deve-se habitar debaixo da sombra provida pelo schach. Esta sombra representa a proteção Divina que todas as pessoas das mais bem-sucedidas às mais humildes necessitam e almejam. Por representar a Proteção Divina, o schach não pode ser feito de material industrializado pelo ser humano. Ao cobrirmos a sucá com o vegetal tal qual é encontrado na natureza, a nossa intenção é demonstrar que somos todos parecidos e todos necessitamos da proteção do Criador .

Outra lei referente a sucá é a exigência de que dentro da cabana a sombra seja mais importante de que a luminosidade. Por isso, devemos colocar bastante folhagem no schach para que a luz do sol não penetre tanto na sucá. O sol, neste caso representa as posses materiais. Em Sucot, nossa preocupação é com a sombra e a proteção Divina, que aquecem muito mais que o astro-rei.

A Sucá também não pode ser construída com paredes que tenham altura maior que 9,6 m. O Talmud explica a razão: se as paredes da sucá fossem mais altas, a pessoa estaria sentada sob a sombra das paredes e não do schach, como manda a lei. E esta, apesar de aparentar ser exclusivamente técnica, tem uma simbologia significativa. A pessoa deve residir sob a sombra do schach, ou, como vimos, a proteção Divina. Se sentasse debaixo da sombra resultantes de paredes altas, a pessoa estaria demonstrando que confia mais em suas posses materiais simbolizado pelas paredes da sucá, como explicado acima do que no amparo de D’us.


É esta a finalidade explícita para a construção da Sucá. Uma outra lei de Sucot estabelece que uma sucá que foi construída no ano anterior perde sua validade se não for, de alguma forma, alterada. O Talmud explica que o mandamento da sucá, como outros da Torá, deve ser cumprido de forma ativa: Taassé veló min Heassui o que quer dizer, em hebraico "faça e não [repita o mandamento] que já está cumprido".

O ensinamento de "Taassé" veló min Heassui” é claro, categórico e universal: faça você mesmo as coisas e não espere que os outros as façam por você! Não fique de lado olhando e criticando! Arregace as mangas e coloque a “mão na massa”! Este conceito é a base do judaísmo e de uma vida significativa. A prática do judaísmo não é concretizada com pensamentos e palavras, mas apenas com atos. O ser humano costuma ter um olho crítico: reclama do comportamento de seus semelhantes, chama a atenção de outros e faz pouco caso das agruras alheias. Este não é o desejo de D’us, nem o caminho da Torá. Nossos sábios ensinam que a vontade Divina pode ser cumprida apenas com bons atos.

Conclusão

Para concluir, existe ainda um outro motivo pelo fato de comemoramos Sucot no mês de Tishrei. A sucá, devido à fragilidade de sua estrutura, é uma moradia provisória. De fato, a Torá exige que a sucá seja construída como uma moradia provisória; caso contrário, é inválida para o cumprimento do mandamento. Por que a sucá deve ser uma cabana e não uma bela residência? Para nos lembrar que a vida é passageira. Ao se referir à vida do ser humano, o Salmista declara: "Yamav ketsel over" seus dias são como uma sombra que passa. Consta no Midrash que nossa vida na Terra não é comparável à sombra de uma parede, nem à de uma árvore, mas à sombra de um pássaro que voa.

Aquele que se conscientiza deste grande ensinamento do judaísmo, desde o início do ano, saberá valorizar seu tempo e transformar cada dia de sua existência terrestre numa vida útil e produtiva.

Rabino Avraham Cohen