Morashá

BIOGRAFIAS


Wingate, o amigo oculto

Wingate, o amigo oculto

Ele foi, ao mesmo tempo, uma personalidade silenciosa e ruidosa na história do sionismo. Entretanto, tanto em Israel como na Diáspora, poucos conhecem sua trajetória e as heróicas ações que comandou em defesa dos pioneiros judeus na antiga Palestina. O oficial britânico Orde Wingate está consagrado como uma figura primordial na formação efetiva da Haganá, a organização militar que deu origem ao exército do Estado de Israel.

Edição 72 - Julho de 2011

Sir Moses Montefiore

Sir Moses Montefiore

Respeitado por reis e governantes, ele era amado pelos pobres e indefesos de todas as religiões e nacionalidades. No mundo judaico era quase uma lenda, sendo seu nome ligado a incontáveis serviços que prestou a seu povo e à humanidade, em geral.

Edição 71 - Abril de 2011

Adolphe Crémieux, defensor da liberdade

Adolphe Crémieux, defensor da liberdade

Político atuante, orador brilhante e um dos maiores advogados de sua época, Crémieux foi, antes de tudo, um incansável defensor das liberdades universais, dos direitos das minorias e, principalmente, da causa judaica.

Edição 70 - Dezembro de 2010

O legado de Theodor Herzl

O legado de Theodor Herzl

Há 150 anos, em 2 de maio de 1860, nascia em Budapeste Theodor Herzl, o estadista judeu que não teve a felicidade de conhecer o estado que idealizou. “Se não for em cinco anos, certamente em cinqüenta, os judeus terão seu próprio estado”, vaticinou em 1897.

Edição 69 - Setembro de 2010

O caçador de nazistas, Efraim Zuroff

O caçador de nazistas, Efraim Zuroff

Desafiado pelo relógio da história com o envelhecimento dos herdeiros do nazismo, Zuroff acelerou nos últimos anos suas ações, e, para isso, deslanchou em 2002 a Operação Última Chance, responsável por relevantes esforços e investigações em países tão distantes como Lituânia, Austrália, Chile e Hungria.

Edição 69 - Setembro de 2010

Flávio Josefo, entre Roma e Jerusalém

Flávio Josefo, entre Roma e Jerusalém

Yossef ben Matitiahu Ha-Cohen, um dos líderes da 1ª Revolta Judaica contra o Império Romano, termina seus dias em Roma, onde adota o nome de Flavius Josephus. Lá escreve a história e apologia da Nação Judaica e de si mesmo, suspeito tanto aos olhos de seus correligionários, quanto aos olhos dos romanos.

Edição 69 - Setembro de 2010