Morashá

HOLOCAUSTO


A Viagem dos Condenados

A Viagem dos Condenados

No dia 30 de janeiro de 1933, Franklin Delano Roosevelt completou 51 anos de idade. Em menos de um mês seria eleito presidente dos Estados Unidos. No mesmo dia, Adolf Hitler tornou-se o chanceler da Alemanha. Seis anos mais tarde, no oceano que separava estes dois homens, navegou um navio chamado St. Louis, abarrotado por refugiados.

Edição 89 - Setembro de 2015

Je suis survivant

Je suis survivant

Em 27 de janeiro de 1945, o I Exército Ucraniano Soviético chegou à cidade polonesa de Oswiecim, forçando os nazistas a recuarem cada vez mais em direção à Alemanha. Aqueles soldados já tinham presenciado e, até mesmo participado, das piores barbáries e violências durante quatro anos de guerra. No entanto, homens rudes, acostumados a carnificinas, choraram ao chegar em Oswiecim.

Edição 87 - Março de 2015

Inferno em Sobibor

Inferno em Sobibor

Há mais de 40 anos fui procurado na redação da revista Manchete por um judeu baixinho, careca, bigode fino, um tanto nervoso. Chamava-se Stanislaw Szmajzner, vindo de Goiás onde era fazendeiro. Trazia um calhamaço de papéis, o manuscrito de um livro que acabara de escrever. Queria saber se a Editora Bloch poderia editá-lo.

Edição 87 - Março de 2015

As meninas do quarto 28

As meninas do quarto 28

O que vem à mente quando se ouve falar da 2ª Guerra Mundial? Um nome com certeza: Anne Frank. Mas existem outras tantas vítimas do Holocausto com nomes e histórias que ainda precisamos desvendar. Nada sabemos, por exemplo, dos sobreviventes de Theresienstadt. O episódio protagonizado pelas meninas do Quarto 28 é, certamente, um excelente exemplo de resistência cultural.

Edição 86 - Dezembro de 2014

O Machzor itinerante de Jenny Teich

O Machzor itinerante de Jenny Teich

Quando minha tia Hilde Simon faleceu, aos 93 anos de idade, em maio de 2010, encerrou-se um capítulo importante na história de minha família: o dos sobreviventes do Holocausto. Tia Hilde nunca nos contara muitos detalhes de sua vida durante a Guerra, e tudo o que soubemos sobre ela vinha aos poucos, em pequenas doses.

Edição 86 - Dezembro de 2014

O massacre de Babi Yar

O massacre de Babi Yar

Em setembro de 1941, Babi Yar, ravina existente em Kiev, capital da Ucrânia, foi o local de um dos maiores massacres de judeus em um único lugar, durante a 2ª Guerra Mundial. Em dois dias apenas, 34 mil judeus, homens, mulheres, crianças e velhos, foram mortos a tiros. Babi Yar se tornou símbolo do cruel assassinato de judeus perpetrado pelos Einsatzgruppen e do persistente não reconhecimento da memória judaica.

Edição 85 - Setembro de 2014